Blog

Guia Completo: Como Construir uma Estratégia de Marketing Digital do Zero para o teu Negócio (mesmo que não saibas por onde começar)

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Guia Completo: Como Construir uma Estratégia de Marketing Digital do Zero para o teu Negócio (mesmo que não saibas por onde começar)

estratégia de marketing digital

O Global Digital Suite of Reports, um estudo anual realizado pelas entidades We Are Social e Hootsuite, pretende dar a conhecer os dados relativos ao comportamento digital da população mundial. Com os números a mostrar mais de 4 biliões de pessoas online (e a aumentar), é natural que o panorama do marketing tenha sofrido uma digitalização. 

 

Começamos a apercebermos-nos do potencial do digital não só para comunicar e criar experiências interativas únicas ,mas também para potenciar negócios que outrora só geravam receita pela via tradicional, e que agora se tornaram negócios digitais incrivelmente lucrativos!

 

Acho que não é preciso dizer o que já todos sabemos, ter uma estratégia de marketing digital hoje em dia é IMPERATIVO para o sucesso e sustentabilidade de um negócio! Neste preciso momento já foram enviados 120 biliões e-mails hoje, 353 mil milhões de Tweets enviados hoje e já foram feitas 3 biliões de pesquisas no google. Não potenciar todos estes canais numa estratégia integrada é, digamos, pouco inteligente?

 

Ainda me surpreende que apenas 34% dos marketers tenham uma estratégia documentada e implementada. Isso significa que os restantes 66% de marketers andam, essencialmente, pelo escuro sem nenhum caminho claro para seguir e atingir resultados de sucesso. Não caias no erro desses 66% e começa já a desenvolver a tua estratégia digital, documenta, passa pela equipa e põe toda a gente no negócio a perceber clara e transparentemente qual vai ser o caminho a percorrer.

 

A regra nº 1 no marketing é fazer a oferta certa no momento certo e no lugar certo. 

 

Hoje, os potenciais clientes estão on-line: socializam nas redes sociais, permanecem atualizados em sites de notícias e blogs, e pesquisam on-line quando precisam de alguma coisa. O marketing digital coloca a tua marca nesses mesmos canais, para que os teus potenciais clientes possam conhecer e aprender mais sobre os teus produtos ou serviços.

 

Uma estratégia digital fornece a estrutura que o teu negócio precisa para tomares as melhores decisões para o desenvolvimento e implementação de tácticas. Portanto, aqui está, tudo o que precisas de saber para começar a construir uma estratégia de marketing digital.

 

Este guia é um óptimo ponto de partida para iniciantes, ao longo do tempo vamos aprofundar em cada um dos tópicos para o acompanhar e guiar nesta jornada pelo digital.

Vamos lá começar …

 

estratégia de marketing digital

1. Porquê ter uma estratégia de Marketing Digital?

 

Bem, se tudo o que eu disse anteriormente ainda não te convenceu, pensa bem nas vantagens que apoiam a minha retórica e te vão fazer acabar o artigo a pôr imediatamente mãos à obra!

 

  • FORNECE UMA VISÃO INTEGRADA DE TODOS OS CANAIS:

Para começar, uma estratégia de marketing digital de sucesso é um plano integrado de  todos os pontos de contacto digitais com os teus potenciais clientes. Esta característica inerente à estratégia, obriga a uma visão holística de todos os canais e de como funcionam entre si interligados de forma a atingir os objetivos propostos.

 

  • É MENSURÁVEL, PERMITE MEDIR O ROI:

Um dos maiores benefícios de uma estratégia digital é a capacidade de acompanhar o ROI com as táticas colocadas em prática. É fácil acompanhar o seu progresso com ferramentas digitais e instalação de pixels (pedaços de código que permitem rastrear users e eventos). Além disso, a medição de todas as táticas e canais de marketing garante uma estratégia económica onde as decisões orçamentais são baseadas em dados e não intuição.

 

  • FORNECE UMA LINHA GUIA E DIREÇÃO:

Uma estratégia digital tem como objetivo delinear e criar um caminho claro para as metas estratégicas. Ela também ajudará a determinar os pontos de referência a serem atingidos e as táticas que te levarão ao sucesso. Para fazer isso, é necessário criar um flow de ações que serve como um guião a ser cumprido para atingir os resultados desejados.

 

  • PÕE TODA A GENTE NA MESMA PÁGINA:

Uma estratégia de marketing digital integrada põe todos os departamentos e funções integrados a trabalhar para um objetivo comum. A estratégia de marketing digital deve estar integrada com a estratégia de negócio, de maneira a todos os funcionários da empresa estarem alinhados. 

 

Objetivos de marketing

2. Determina os objetivos que queres atingir

 

O primeiro passo na estruturação de uma estratégia, é definir os objetivos de marketing digital. Estes objetivos devem contribuir para os objetivos do negócio. Se por exemplo o objetivo de negócio anual for aumentar 20% das vendas online, o objetivo de marketing digital poderá ser aumentar 50% das leads generadas para contribuir para esse sucesso.

 

Os objetivos vão ser o ponto de partida para a definição de todas as táticas que vão ser implementadas para atingir esses resultados pretendidos. É também a partir daqui que se desenvolvem as métricas a medir e os KPI’S a atingir.

 

Uma caracteristica crucial para objetivos de sucesso, é serem mensuráveis. Quer isto dizer, que é necessário realmente ser capaz de medi-lo (por exemplo, ter as ferramentas corretas de marketing digital para fazê-lo).

 

A maneira e as ferramentas usadas para medir a eficácia da estratégia digital será diferente para cada negócio e dependente das metas propostas, mas é vital garantir que as métricas e ferramentas certas para as medir estão definidas. Isto é crucial para ajustar a estratégia conforme performance no futuro.

 

personas e avatares

3. Define o público alvo e as tuas personas

 

O alicerce mais importante da uma estratégia depende de um bom entendimento da sua base de clientes desejados para gerar leads e gerar conversões. Quanto mais conseguires restringir o teu foco, mais resultados vais gerar ao eliminar possíveis clientes irrelevantes.

 

As melhores estratégias de marketing digital são construídas com base em personas detalhadas do comprador, e o teu primeiro passo é criá-las.

 

As personas representam o (s) teu (s) cliente (s) ideal (is) e podem ser criadas através de pesquisa, questionários e entrevistas ao público-alvo da tua empresa. É importante observar que estas informações devem ser baseadas em dados reais sempre que possível, pois fazer suposições sobre o teu público pode fazer com que a estratégia de marketing embarque na direção errada desde o início.

 

Podes usar ferramentas como o Google Analytics, Audience Insights do Facebook, Similar Web, Followerwonk, Alexa, Twitter e LinkedIn Analytics, para análises web. Ferramentas como o SurveyMonkey, Google forms, Skype e Google Hangouts para questionários e entrevistas.

 

Mas que tipo de informação deves reunir sobre as tuas personas para informar a tua estratégia de marketing digital?

 

Isso depende dos negócios e é provável que varie dependendo se é B2B ou B2C ou se são produtos de custo alto ou baixo custo. Aqui estão alguns pontos de partida, mas vais querer ajustá-los, dependendo do negócio em questão.

 

Informação quantitativa (ou demográfica)

  • Localização. Podes usar ferramentas de análise de web, como o Google Analytics, Similar Web para identificar com facilidade de que local vem o tráfego do teu website.

 

  • Idade. Dependendo do teu negócio, isto pode ou não ser relevante. 

 

  • Renda. É melhor reunir informações confidenciais, como renda pessoal, em entrevistas pois as pessoas podem não estar dispostas a compartilhá-las por meio de formulários on-line.

 

  • Cargo de trabalho. É mais relevante para empresas B2B.

 

Informação qualitativa (ou psicográfica)

  • Objetivos. O que motiva as pessoas a procurar o teu produto ou serviço? Dependendo das necessidade que o teu produto ou serviço foi criado para resolver, talvez já tenhas uma boa ideia das metas que a persona deseja alcançar. No entanto, é melhor consolidar essas suposições a falar com os clientes, bem como representantes internos de vendas e atendimento ao cliente.

 

  • Desafios e Pain Points. Mais uma vez, fala com clientes, representantes de vendas e atendimento ao cliente para ter uma ideia dos problemas comuns que o teu público enfrenta.

 

  • Hobbies e interesses. Fala com os clientes e pessoas que se alinham ao seu público-alvo. Se deténs uma marca de moda, por exemplo, é útil saber se grandes segmentos de teu público também estão interessados ​​num estilo de vida saudável e bem-estar, pois isto pode ajudar a informar a tua futura criação de conteúdo e parcerias.

 

  • Prioridades. Fala com os clientes e pessoas que encaixam no teu público-alvo para descobrir o que é mais importante para eles em relação ao teu negócio. Por exemplo, se tens empresa de software B2B, saber que o teu público valoriza o suporte ao cliente por um preço competitivo é uma informação valiosa para estratetizares.

 

Depois de reunires esta informação podes ir um bocado mais fundo:

  • Analisa os perfis dos clientes.
  • Avalia os ciclos atuais e futuros do cliente.
  • Observa a resposta do cliente e o comportamento de compra.
  • Define as preferências de canais do cliente.

Os canais são incrivelmente importantes. Onde estão os teus clientes? Em que plataformas é que eles passam tempo online? Depois de descobrir isso, verifica se estás a marcar presença nestas plataformas.

 

Pega nesta informação e cria uma ou mais personas completas, e garante que elas estejam no centro da tua estratégia de marketing digital. 

 

Já escrevi um artigo completo sobre a importância de segmentar o público-alvo aqui.

 

Owned, earned and paid media

4. Entende os diferentes tipos de meios e Audita os teus Assets

 

A estratégia de marketing digital é uma série de ações que ajudam a atingir os objetivos de negócio através da seleção cuidadosa de canais de marketing digitais. Estes canais incluem paid, earned e owned media, e podem todos dar suporte a uma campanha comum.

 

Esta estrutura de meios: owned, paid e earned, ajuda a categorizar os ‘veículos’, ativos ou canais digitais que podem usar para atingir os objetivos propostos.

 

OWNED MEDIA:

Owned media são os meios e ativos digitais que a tua empresa possui, seja o website, os perfis de redes social, o conteúdo do blog ou as imagens, os owned media são as coisas sobre as quais a tua empresa ou marca tem controlo total. Isto pode incluir alguns conteúdos externos que o negócio possui, mas não está hospedado no site, como um blog alojado no Medium, por exemplo.

 

EARNED MEDIA:

Muito resumidamente, a earned media, refere-se à exposição que ganhaste através de boca-a-boca. Seja o conteúdo distribuído noutros sites (por exemplo, guest posting), o trabalho de relações públicas feito ou a qualidade da experiência que é entregue ao cliente, earned media é o reconhecimento que recebes como resultado. É possível ganhar este tipo de media obtendo menções de imprensa, críticas positivas e outras pessoas a compartilhar o conteúdo nas redes sociais, por exemplo.

 

PAID MEDIA:

A media paga é um pouco auto-explicativa como o nome sugere, e refere-se a qualquer veículo ou canal onde se invista dinheiro para chamar a atenção de potenciais compradores. Isto inclui coisas como o Google AdWords, posts pagos nas redes sociais, publicidade nativa e qualquer outro meio pela qual se paga diretamente em troca de visibilidade.

 

Nesta fase:

Reúne tudo o que o teu negócio tem  e categoriza cada meio e ativo numa folha de excel, para que tenhas uma imagem clara dos meios existente. Começa a pensar e testar maneiras de interligar estes elementos para atingir as metas

 

Uma estratégia de marketing digital pode incorporar elementos de todos os três meios, todos trabalhando interligados para ajudá-lo a atingir os objetivos propostos. 

 

Por exemplo, podes ter conteúdo numa landing page do website (owned media) que foi criado para potenciar a geração de leads. Para ampliar o número de leads que o conteúdo gera, o copy pode ter sido escrito de maneira a tornar o conteúdo compartilhável, ou seja, potenciou o conteúdo para os users o distribuírem por meio dos seus perfis de redes sociais, gerando mais tráfego para a landing page. Este é o componente de earned media.

Para potenciar ainda mais o alcance do conteúdo, podes publicar um post sobre o conteúdo na página do Facebook e pagar para que seja visto por mais pessoas dentro do teu público-alvo, ou pagar a influencers para compartilharem o post. Este é o componente de paid media.

 

É exatamente nestas misturas de fluxos entre meios e assets que te deves focar nesta fase para atingir as metas propostas. Claro, não é obrigatório usar todos os três. Resume-se tudo a saber como avaliar a melhor solução para atingir o teu objetivo e, em seguida, incorporar os canais que funcionam melhor para o teu negócio, tendo em consideração as tuas personas e os teus recursos.

 

funil de vendas

5. Entende o funil de vendas digital

 

Agora que já tens uma visão holística de todos os canais e assets que tens a teu dispor, e o que está em falta (espero que tenhas feito a folha de excel que sugeri em cima), é necessário abordarmos o funil de vendas digital, que vai moldar tudo o que será feito daqui para a frente. Num artigo anterior, já expliquei a fundo o conceito de funil de vendas (podes ver aqui), portanto vou ser mais resumido. 

 

O funil é composto por várias etapas, pelas quais os compradores se movimentam para chegar ao ponto de comprar e / ou se tornar clientes a longo prazo.

 

Dependendo da abordagem, as fases podem variar em número e no seu nome exato, mas geralmente incluem o seguinte:

  • Descoberta. As pessoas entrar em contacto com a marca ou produto pela primeira vez. É o primeiro touchpoint do cliente.
  • Pesquisa / consideração. Algum reconhecimento de marca foi estabelecido, e o usuário está disposto a investigar os teus produtos ou serviços para aprender mais. Eles também podem pesquisar os teus concorrentes nesta fase.
  • Compra. Os usuários estão dispostos a tornar-se clientes e comprar o que tens para oferecer.
  • Fidelidade. Esta é a fase de clientes repetidos que se podem tornar leais à tua marca ou produto e, eventualmente, tornar-se defensores da marca.

 

Os users que estão na fase da descoberta não vão responder da mesma maneira a um anúncio como alguém que está na fase da fidelidade. Eles estão a interagir com a marca de diferentes maneiras e em diferentes plataformas, e a estratégia de marketing digital precisa de ser adaptada às fases do funil. 

 

6. Determina onde vais encontrar os users em todas as fases do funil 

Agora que tens uma boa compreensão de quem é o público-alvo, agora queres entender como e onde te podes conectar com eles. 

Considera todos os canais de marketing pagos e orgânicos e pensa nas personas que estão a usar e em que fase do funil é que estão. Isso vai ajudar-te a determinar os canais de marketing nos quais deves estar e quem desejas segmentar e impactar em cada parte da tua estratégia de marketing digital.

 

Por exemplo, um profissional de coaching de vida acaba de lançar um curso online e uma das personas é a Alice que procura soluções que a ajudem a crescer pessoalmente. Numa primeira fase, a Alice pode pesquisar no Google através da introdução das palavras “soluções para crescimento pessoal”, convém estar presente nesta fase através de um bom posicionamento orgânico (Inbound Marketing) ou pago (através do Google Adwords), numa segunda fase, a Alice já pode pesquisar serviços específicos e alternativas como por exemplo “melhores coaches de vida para crescimento pessoal” ou talvez pesquise alguma social proof ou recomendações, que plataformas podem estar presentes nesta fase da pesquisa?

 

Basicamente tens que te pôr nos sapatos das tuas personas e pensar como elas em todo o processo que passam pelo funil. Escreve uma lista de todas as plataformas e fases do funil onde as personas poderão estar presentes, e começa a pensar em táticas para impacta-las no momento certo à hora certa, com a MENSAGEM certa!

 

owned media

7. Audita e planeia os teus canais de owned media 

 

 MARKETING DE CONTEÚDO:

Quando feito da maneira certa, marketing de conteúdo não vai apenas atrair novos prospectos, mas também movê-los pelo funil de vendas até um aumento das vendas e consequentemente o crescimento do negócio.

 

No centro do marketing digital está a tua media própria, que quase sempre assume a forma de conteúdo. Cada mensagem que a tua marca transmite pode geralmente ser classificada como conteúdo, seja a página “Sobre nós”, descrições de produtos, posts em blogs, e-books, infográficos ou posts de redes sociais.

 

O conteúdo ajuda a converter os visitantes do website em leads e clientes e ajuda a elevar o perfil da tua marca on-line. Além disso, quando otimizado, conteúdo de qualidade também pode impulsionar qualquer esforço que exista em torno do tráfego orgânico / de pesquisa. Qualquer que seja o objetivo, precisas de usar o conteúdo para formar a tua estratégia de marketing digital.

 

Para construir uma estratégia de marketing digital, é necessário decidir qual o conteúdo que vai apoiar-te para atingir as metas. Se o objetivo é gerar 50% mais leads através do website do que no ano passado, é improvável que sua página “About Us” seja incluída em sua estratégia – a menos que essa página tenha sido de alguma forma uma máquina de geração de leads no site no ano passado.

 

É mais provável que um e-book acessível através do preenchimento de um formulário no website apresente mais leads e, como resultado, isso possa ser algo que queiras produzir mais. É crucial ter uma atitude proativa quanto à produção de conteúdo e não reativa, através da implementação de processos a seguir para descobrir o conteúdo que precisas para atingir as metas de marketing digital, e como produzi-lo de maneira coerente e frequente.

 

  • Audita o conteúdo existente

 

Para quem já tem uma presença digital e algum tipo de conteúdo lançado, o primeiro passo é criar uma lista do conteúdo existente e classifica cada item de acordo com o que já teve melhor desempenho em relação às suas metas atuais.

 

Se o objetivo é gerar leads, por exemplo, classifica-os de acordo com o que gerou mais leads no ano passado. Isto pode ser um post de blog específico, um e-book ou até mesmo uma página específica no website que esteja a converter bem.

 

A ideia aqui é descobrir o que está a funcionar atualmente e o que não está, para que te possas preparar para o sucesso ao planear conteúdo futuro.

 

  • Identifica falhas no conteúdo existente

 

Com base nas personas definidas, identifica quaisquer falhas no conteúdo já desenvolvido. Se és um coach e descobriste na tua audiência que um dos maiores desafios da tua persona é encontrar maneiras interessantes de potenciar o seu desenvolvimento pessoal, mas não tens nenhum conteúdo que mostre essa preocupação, então podes começar a criar.

 

Ao examinar a auditoria de conteúdo, podes descobrir novas misturas de tipos de conteúdo, por exemplo um e-book que converteu muito bem passar a estar alojado numa landing page com grande taxa de conversão. A criatividade pode começar a correr aqui, sempre apoiada por dados claro!

 

  • Cria um plano de criação de conteúdo:

 

Com base nas descobertas e nas falhas que identificas-te, cria um plano de criação de conteúdo que descreva o conteúdo necessário para auxiliar o sucesso da estratégia. Isto deve incluir:

  • Título
  • Formato
  • Objetivo
  • Canais de distribuição
  • Por que está a ser criado (por exemplo, “A Alice esforça-se para encontrar dicas práticas para viver a melhor versão de si mesma, por isso estamos a criar um calendário editorial com dicas práticas diárias para crescimento pessoal “)
  • Nível de prioridade (para ajudar-te a decidir o que lhe potencialmente dará mais “retorno pelo tempo ou dinheiro”)

 

  •  Adapta o conteúdo a cada fase do funil:

No topo do funil (TOFU), os prospectos precisam de conteúdo que facilite dar a conhecer a marca. Os prospectos que entram no topo do funil estão completamente inconscientes da tua solução e, muitas vezes, completamente inconscientes do problema. Nesta fase precisas de oferecer conteúdo que: 

  • Entretém
  • Educa
  • Inspira

… E precisas de o distribuir em tipos de conteúdo como:

  • Posts de redes sociais
  • Artigos de blog
  • Infográficos
  • Fotos
  • Revistas e livros digitais
  • Podcasts de audio/video 
  • Microsites
  • Newsletters 
  • Estudos de mercado e Case Studies 

 

No meio do funil (MOFU), precisam de conteúdo que facilite avaliação detalhada dos produtos ou serviços. O grande objetivo no conteúdo de meio de funil é converter prospetos em leads. Aqui, use conteúdo de elevado valor,  em troca de detalhes de contacto. Chamamos a este tipo de conteúdo Lead Magnet.

  • Recursos Educacionais (White-papers, Estudos de Caso…)
  • Recursos úteis (Checklists, Templates…)
  • Downloads de software
  • Quizzes / Questionários
  • Cupões / Descontos 
  • Webinars / Eventos
  • E-Books

No fundo do funil, precisam de conteúdo que facilite a decisão de compra. Que tipo de conteúdo pode suportar e informar a compra?

  • Demos / Trials de graça
  • Histórias de Clientes / Recomendações
  • Tabelas de comparação com concorrentes
  • Mini-Aulas
  • Consultorias

 

Escreve numa folha de excel que também deve incluir informações de orçamento, se estiver no planeamento outsourcing de criação de conteúdo ou uma estimativa de tempo, se for produzido internamente.

 

OTIMIZAÇÃO DOS MOTORES DE BUSCA (SEO)

A estratégia de SEO é um processo de organizar o conteúdo de um site por tópico, o que ajuda os mecanismos de pesquisa, como o Google e Bing, a entender a intenção do usuário ao efetuar uma pesquisa. Ao otimizar uma página de um website em torno de tópicos e, em seguida, palavras-chave nesse mesmo tópico, podes aumentar a experiência do utilizador aos olhos do mecanismo de pesquisa e classificar bem as palavras-chave relacionadas a esse tópico.

 

Aqui ficam os passos base para a implementação de uma estratégia de SEO:

  • Faz uma lista de tópicos
  • Faz uma lista de palavras-chave 
  • Constrói ou faz uma revisão à tua estrutura atual, para que cada página corresponda a cada tópico
  • Desenvolve um blog ou uma área-m-ae onde o teu conteúdo vai ser constantemente actualizado e reciclado.
  • Actualiza Conteúdo todas as semanas para construíres autoridade de página
  • Cria um plano de link-building (links externos que geram autoridade para o website)
  • Compressa toda a media antes de introduzires no website
  • Mantém-te informado em novidades e práticas de SEO
  • Mede e Acompanha o sucesso do conteúdo

 

REDES SOCIAIS

Estar presente nas redes sociais não é simplesmente estar ativo no Facebook, Instagram e Twitter. É sobre estar presente onde o teu público-alvo gosta de passar tempo, para interagires com eles, criares relações e ofereceres elevado valor.

 

Nesta fase, já devias ter uma noção bem clara de quem são as tuas personas e onde elas andam online, a partir daí podes decidir em que redes sociais vais marcar presença e qual o valor que vais trazer para cada uma delas. 

 

Cria um calendário editorial e um calendário de calendarização das publicações, onde vais fazer o planeamento mensal de todas as tuas comunicações via redes sociais. Interliga as tuas ações nas redes sociais com a tua estratégia de conteúdo e estratégia de publicidade paga.

E-MAIL MARKETING

Sabias que o e-mail tem em média 122% ROI? Isto significa que é o canal com mais retorno! A chave para gerar este retorno, é ter um sólido conhecimento das bases de e-mail marketing.

 

  • Garantir que os emails chegam à caixa de entrada dos prospectos
  • Garantir que os e-mails são abertos
  • Potenciar interação, para que os prospectos tomem as ações que desejas
  • Automatizar o processo todo  

 

É crucial entenderes o papel do email num negócio em crescimento, e como podes aproveitar este canal para rapidamente moveres prospectos e clientes através do funil de vendas. 

 

O canal de e-mail é uma ferramenta inigualável por ser uma comunicação direta e pode trazer resultados muito eficazes. Inclusive, é possível segmentar listas conforme diversos fatores, como taxa de abertura dos emails, respostas, downloads de um material, entre outros.

 

Constrói uma lista de e-mails:

O primeiro passo para uma boa estratégia de email marketing é construir a tua lista de contactos, ou seja, desenvolver algo que os teus potenciais clientes estejam dispostos a trocar pelos seus dados pessoais. Como podes fazer isso?

 

  1. Escolhe uma plataforma de e-mail marketing para gerires os teus contactos.
  2. Cria uma oferta incrível, um lead magnet, para atrair contactos.
  3. Insere formulários de inscrição dentro do teu site, blog e landing pages.

 

formulário de captação de lead
Exemplo de formulário de captação de lead Salesforce

Conhece os diferentes tipos de e-mail que podes usar:

Existem diversos tipos de comunicações que podes enviar conforme os teus objetivos, cada uma com uma intenção diferente.

 

E-mails Informacionais

Este tipo de mensagem tem o objetivo de passar uma informação relevante para os teus contatos. Se possuis alguma notícia em primeira mão, queres divulgar algum evento ou ação específica este é o tipo de e-mail a usar.

 

E-mails de Nutrição

E-mails de nutrição são aqueles que nutrem o contacto com conteúdo de valor ao longo de todas as fases do funil de vendas. A nutrição de leads pode acelerar o processo pelo funil de vendas as tuas leads mais preparadas para o momento da compra. 

Comunicações deste género devem ser objetivas e levar o contacto do e-mail para o teu website, landing pages ou blog, oferecendo conteúdos de alto valor que o levará a avançar no funil.

 

E-mails Educacionais

Emails educacionais são muito úteis e devem corresponder à maior parte do conteúdo que é enviado regularmente. Simplesmente porque conteúdo educacional é aquele focado em solucionar os problemas das tuas personas.

No fundo, esta é a principal razão pela qual o contacto subscreve ao teu conteúdo.

Utiliza-o para enviar posts relevantes, materiais selecionados, conteúdo exclusivo e rubricas que aches relevante para a tua audiência.

8. Audita e planeia os teus canais de earned media 

Fazer uma avaliação à tua earned media anterior com as tuas metas atuais pode ajudar a dar direção A teu tempo. Vê de onde vem o tráfego e as leads (se esse for o teu objetivo) e classifica cada fonte de earned media do mais eficiente para o menos eficaz.

 

Podes obter essas informações em ferramentas como o Google Analytics e Brand 24 para veres o impacto dos teus esforços de marketing nas redes sociais.

 

A ideia aqui é criar uma imagem de como earned media pode ajudar a alcançar os objetivos e o que não, com base em dados históricos. No entanto, se houver algo novo que ainda queiras tentar, não descartes isso apenas porque ainda não foi experimentado e testado.

 

9. Audita e planeia os teus canais de paid media 

Algumas das melhores plataformas de tráfego pago são o Google, Facebook, Youtube, Twitter, Linkedin e Pinterest, no entanto os canais certos a usar vão depender das tuas personas e das plataformas onde estão presentes.

 

Na maioria dos casos, o ponto de partida é publicidade no Google e Facebook. Caso já tenhas feito campanhas pagas, faz uma análise às campanhas de melhores resultados e escreve numa folha de excel. 

 

Ter em atenção os elementos mais importantes de uma campanha de sucesso:

  • A oferta
  • O copy
  • O criativo
  • O targeting

 

Agora que tens uma visão geral do que já resultou e do que queres implementar podes começar a criar campanhas:

  • Identifica as personas para cada campanha
  • Identifica os hooks ( O que é mais atrativo na tua oferta? Cada benefício ou resultado da oferta pode ser transformado num hook para atrair a atenção do teu público)
  • Cria o teu copy para o anúncio
  • Cria os criativos do anúncio
  • Define a estratégia de targeting 
  • Define orçamentos
  • Configura e Implementa os anúncios
  • Avalia resultados
  • Otimiza e escala os anúncios

 

Não esquecer a instalação dos pixels para campanhas de retargeting (impactar usuários que já interagiram com a tua marca).

10. Incorpora automatização e personalização

Ao implementar e executar as campanhas e ações, vais encontrar maneiras de continuar a melhorar e torná-las o mais eficaz possível. Existem duas boas maneiras de fazer isso: mais personalização e mais automação. E em muitos casos, estes dois podem-se sobrepor.

 

É aqui que entra a magia do retargeting. Esta táctica, é muito simplesmente impactar os usuários conforme ações que eles já tenham feito. Isto pode ser feito através de media paga (campanhas de remarketing) e e-mail (auto-responders).

 

 Imaginemos um caso prático, vamos voltar ao mentor que vende cursos online. Um mentor quer aumentar a taxa de conversão de pessoas que mostraram interesse no seu curso avançado de coaching, para isto vai lançar uma campanha de remarketing no Facebook (depois de instalar o pixel – falarei noutro post a fundo sobre este tópico), onde vai impactar pessoas que já mostraram interesse neste produto digital. A taxa de conversão deste tipo de anúncios é muito superior devido à elevada relevância para o potencial cliente. Ele já esteve em contacto com a marca, já mostrou interesse no produto, e agora é impactado com um relembrar. 

 

Ao mesmo tempo, vai introduzir outro nível de personalização e automação via e-mail. Vai criar um autoresponder no seu software de e-mail marketing, onde vai segmentar todas as suas comunicações conforme as ações das leads.  Lança uma campanha geral com diversos tópicos, conforme as leads interagem com esse conteúdo,  já configurou previamente para as segmentar, e as suas comunicações futuras vão ser conforme essas interações. Se eu interagi com conteúdo relativo a coaching relacional, a partir de agora, o conteúdo que vou receber vai ser sempre focado nesse tópico. Isto é o que chamamos de personalização.

 

workflows e auto-responders
workflows e auto-responders

11. Interliga tudo e documenta

A chave é desenvolver uma estratégia de marketing digital que te posiciona em canais onde o teu público-alvo já está presente, e usar uma série de táticas para ganhar a atenção deles (sempre providenciado VALOR), e estabelecer relações.

 

Conteúdo para mantê-los atualizados com notícias do setor, os problemas que eles

enfrentam, e como TU podes resolver esses problemas …

Redes sociais para partilhar esses conteúdos e interagir com eles tornando-os em seguidores e amigos…

Otimização de Motores de Busca (SEO) para otimizares o teu conteúdo e ele aparecer nos resultados de pesquisa quando alguém pesquisar informação sobre a qual já escreveste…

Publicidade paga para gerar tráfego segmentado para o teu website onde tens expostas as tuas ofertas…

E-mail marketing para dares seguimento e nutrires os teus clientes com conteúdo relevante, de elevado valor, e que mantenham a relação sustentável…

 

Quando interligas todas estas peças essenciais, vais acabar com uma máquina de marketing digital eficiente e fácil de operar. Ao investires numa boa estruturação e planeamento prévio, estás a ter uma atitude proativa às atividades de marketing digital, o que torna toda a manutenção e otimização da estratégia mais fácil.

 

Eu sei que parece intimidador construir toda esta máquina do zero, mas se fores passo a passo, canal a canal, tática a tática, para além de uma viagem de aprendizagem enorme, no final vai valer a pena o esforço despendido!

 

12. Monitoriza recorrentemente a performance da estratégia

Além das seções de análises em cada rede social e o Google Analytics , deves usar os parâmetros UTM para rastreares o tipo de posts, campanhas de e-mail e campanhas pagas  que têm melhor desempenho no website. 

 

Quando estes dados começarem a surgir, usa-os para reavaliar a estratégia regularmente. Podes também usar essas informações para testar diferentes posts, campanhas e estratégias entre si. Testes constantes permitem que entendas o que funciona e o que não funciona, para que possas refinar a estratégia em tempo real.

 

13. Procura por falhas na estratégia de marketing digital

Um dos maiores benefícios de ter uma estratégia de marketing digital estruturada é a capacidade de medir os resultados de todas as ações. Através da estruturação certa do  funil (s), implementação correta de objetivos, utm tags e pixels, consegues ter uma visão holística do desempenho de cada canal, táctica e campanha

 

Através da definição de objetivos no Google Analytics, é possível visualizarmos o funil de conversão que definiste, e neste mesmo, consegues ver as taxas de abandono em cada etapa do funil. Esta informação é crucial na melhoria da estratégia, pois é aqui que identificas falhas na estratégia. É no check-out que a taxa de abandono está maior? Será que precisa de melhorias? Realiza alguns testes A/B e averigua! É na página “sobre nós”? Será que o copy tem que ser melhorado? Outra vez, testes A/B, e averigua… Estás a ver a lógica?

 

exemplo de funil de conversão no Google Analytics
exemplo de funil de conversão no Google Analytics

 

 

Tens que pensar na estratégia como um ser vivo que está em constante desenvolvimento e melhoria, e TU, és o maestro desta sinfonia. Tudo o que precisas é de construir a máquina, metê-la a funcionar, e mantê-la debaixo de olho constantemente para a guiar!

Rotina Matinal: de manhã se inicia o dia

Mudar a nossa vida, melhorar a nossa performance, no fundo sermos mais e melhores, passa essencialmente por nós próprios. Não podemos esperar que algo mude de um momento para o outro se o que fazemos se repete diariamente… Se quer mudar, se aperfeiçoar, comece hoje. E comece pelo início: a manhã. Sabia que ter uma ritual matinal pode fazer TODA a diferença no resto do dia, semana, meses… enfim, impactar toda uma vida?

LER ARTIGO

BioHacking e como hackear a sua biologia para ter uma melhor performance

Sabe o que é o BioHacking? Pode parecer uma palavra estranha, uma ideia sem nexo, mas a verdade é que já faz parte da nossa existência há mais tempo do que imaginamos e pode ser uma importante ferramenta no seu desenvolvimento profissional e pessoal, aumentando a sua produtividade em todos os quadrantes da vida. Veja como neste artigo, em que lhe conto tudo sobre este conceito.

LER ARTIGO